Artigos

 O vinho na Celebração Eucarística


   

Diante da Lei Seca, com tolerância zero, surgiu a preocupação com os sacerdotes que presidem mais do que uma missa por dia, em seguida, e devem dirigir após as celebrações.



Como compreender a legislação civil e a tradição da Igreja neste caso que envolve a celebração Eucarística? Em primeiro é preciso ficar claro que a Igreja não é contrária a essa lei. Muito pelo contrário, apoia toda legítima atuação da autoridade legislativa que proteja e promova autenticamente a vida. Mas nem por isso a Igreja pode mudar a sua tradição bi-milenar e as normas exigidas para a válida correta celebração. No caso específico, devemos ter presente a norma expressa no Direito Canônico, Cânon 924, §3: “o vinho deve ser natural, fruto da videira e não corrompido”.



A Congregação para a Doutrina da Fé, em junho de 1995 emitiu uma carta sobre este assunto dizendo: “A permissão para usar o mosto, contudo, pode ser concedida pelos Ordinários aos sacerdotes que sofrem de alcoolismo e de outra doença que impeça de tomar álcool, mesmo em mínima quantidade, mediante apresentação do certificado médico. Por mustum se entende o suco de uva fresco ou mesmo conservado suspendendo a sua fermentação (através de congelamento ou outros métodos que não alterem a natureza).”


A mesma Congregação, em julho de 2003, em Carta circular aos presidentes das Conferências Episcopais sobre o uso do mosto como matéria eucarística afirma: “Mosto, isto é, o suco da uva quer fresco quer conservado de modo a interromper a fermentação mediante métodos que não lhe alterem a natureza (p. ex., o congelamento), é matéria válida para a eucaristia”. Fica claro que a matéria prima para a celebração da missa será sempre o vinho. O bispo local pode autorizar o mosto, suco de uva com baixa fermentação para os casos citados acima.



O vinho sem álcool não pode ser confundido com o mosto, já que não há nenhum pronunciamento oficial da Igreja sobre este vinho sem álcool. Por motivos de saúde e até por opção pessoal do sacerdote em não tomar nenhuma bebida alcoólica, aceitei autorizar o uso deste vinho sem álcool, produzido pela mesma vinícola que produz o vinho para a missa. A qualidade e a origem são as mesmas, o que muda é a ausência de álcool. Mas fui informado que o “vinho sem álcool” é o mesmo que o mosto, apenas o nome foi mudado por ser bastante incomum o seu uso no Brasil.



É recomendável que os sacerdotes procurem dar um espaço suficiente entre uma missa e outra, a fim de que o organismo assimile aquela pequena quantidade de álcool contida no vinho que foi utilizado na Eucaristia e consumido. Tomar água logo após a missa, ou algum suco, também é recomendável para acelerar a dissolução do álcool ingerido.



Acima de tudo, estamos conscientes de que a moderação e o bom senso devem orientar todo tipo de comportamento, especialmente na quantidade do vinho utilizado missa. Portanto a Igreja pode autorizar em casos específicos a mudança do vinho, mas não pode decretar para toda uma diocese uma norma generalizada, que permanece sendo uma exceção feita exclusivamente por motivos de saúde.



Esperamos que esse pequeno debate criado a partir da repercussão midiática por causa da Lei Seca seja capaz de renovar o amor do povo brasileiro pela Santa Missa. Afinal, é no mistério Eucarístico que depositamos a nossa confiança. Bendito seja Deus que Se fez Pão e Vinho para nos alimentar. Que o Espírito Santo nos conduza.



Dom Anuar Battisti - Arcebispo de Maringá-PR


Fonte: www.arquimaringa.org.br
Postado em: 16/02/2013 às 22:46:57



Pesquisar no Site


  • Newsletter

  • Paróquia São Pedro e São Paulo - Diocese de Ponta Grossa - Telêmaco Borba - Paraná
    Sociedade Beneficiente São Pedro - Fone: (42)3272 8557 / (42) 3272 8930 - pascom@pspsp.com.br
    Está obra de evangelização não possui fins lucrativos e é custeada através do dinheiro do dízimo
    Desenvolvido por Rinaldo M. Heil